Influencer com mais de 1 milhão de seguidores é preso no DF por jogos de azar e lavagem de dinheiro

Influencer com mais de 1 milhão de seguidores é preso no DF por jogos de azar e lavagem de dinheiro

Segundo investigadores, grupo integrado por Kleber Moraes realizava jogos de azar desde 2021. Suspeita é que organização tenha movimentado 20 milhões; g1 não conseguiu contato com defesa

 

Por Sthefanny Loredo

 

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu, na manhã desta segunda-feira (21), o youtuber brasiliense Kleber Moraes, que tem mais de 1 milhão de seguidores, e outras quatro pessoas por suspeita de participação em um esquema criminoso voltado à prática de jogos de azar e lavagem de dinheiro.

Segundo as investigações, o grupo atuava desde o ano passado com o sorteio de veículos em rifas e lavagem de dinheiro por meio de empresas de fachada e “testas de ferro”. Em dois anos, os suspeitos faturaram R$ 20 milhões, de acordo com a polícia. Até a última atualização desta reportagem, g1 não tinha conseguido contato com as defesas dos investigados.

Foram cumpridos oito mandados de busca em Águas Claras, Guará e Samambaia, no Distrito Federal. Os investigadores apreenderam nove veículos, entre eles um Lamborghini e uma Ferrari. Os carros estão avaliados em R$ 3 milhões cada um.

A mansão do líder da associação criminosa, localizada no Park Way, também foi alvo da operação. Foram bloqueados R$ 10 milhões das contas dos investigados. Além dos veículos, foram apreendidos vários outros carros, uma motocicleta e um jet-ski.

Esquema criminoso

 

Influenciadores aproveitam popularidade nas redes sociais para vender rifas de veículos no DF — Foto: Reprodução

Influenciadores aproveitam popularidade nas redes sociais para vender rifas de veículos no DF — Foto: Reprodução

A operação ganhou o nome de “Huracán”, modelo de carro de luxo. A investigação aponta que a associação criminosa era liderada por youtubers, que promoviam rifas de veículos em redes sociais. Os veículos eram preparados com rodas, suspensão e som especiais, e as rifas eram anunciadas em um site.

Como possuíam milhões de seguidores, os investigados pela operação vendiam facilmente as rifas, segundo a polícia. Os valores arrecadados seguiam para as contas de empresas de fachada e eram utilizadas para aquisição de novos veículos, registrados em nome de “testas de ferro”.

Fonte: G1DF

Da redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.