Câncer de testículo: jovens devem ficar atentos Tumor tem predominância entre homens de 20 a 34 anos.

Câncer de testículo: jovens devem ficar atentos Tumor tem predominância entre homens de 20 a 34 anos.

A notícia boa é que a detecção precoce garante quase 100% de cura

Um câncer que atinge homens no auge de sua vida sexual, reprodutiva e de sua capacidade de trabalho, o tumor no testículo é predominante em cidadão entre 20 e 34 anos. Em muitos casos está ligado à criptorquidia, ou seja, a não descida de um ou dos dois testículos para a bolsa escrotal.

Apesar de corresponder a 5% do total de casos de câncer entre os homens, especialistas recomendam atenção, pois podem comprometer diretamente à qualidade de vida do paciente, além de resultar em infertilidade e problemas ligados à impotência sexual.

“Fica o alerta da comunidade médica, pois estamos falando de uma doença facilmente curada quando detectada precocemente”, enfatiza o médico João Nunes, do Centro de Câncer de Brasília. “O câncer de testículo apresenta mais do que 95% de chances de cura nas fases iniciais aliando tratamentos de quimioterapia e cirurgia”, complementa o especialista.

O oncologista destaca que, em algumas fases, há chance desse tipo de tumor ser confundido ou até mesmo mascarado com uma orquiepididimite (inflamação dos testículos e dos epidídimos – canais que coletam e carregam o esperma), geralmente transmitida sexualmente.

O mais comum é o aparecimento de um nódulo duro, geralmente indolor, aproximadamente do tamanho de uma ervilha. Mas deve-se ficar atento a outras alterações, como aumento ou diminuição no tamanho dos testículos, endurecimentos, dor imprecisa na parte baixa do abdômen, sangue na urina e até aumento ou sensibilidade dos mamilos.

Ainda de acordo com o médico, duas curiosidades precisam de atenção especial.

Uma delas diz respeito ao abuso da maconha por um tempo prolongado. Segundo estudo publicado em 2019 pela revista científica Journal of the American Medical Association, o consumo desse entorpecente a longo prazo pode elevar em até 36% a chance de desenvolver um câncer de testículo.

Outra informação importante é que, de acordo com estudo publicado na renomada revista Nature Medicine neste mês, cuja a autoria é da psicóloga brasiliense Cristiane Bergerot, pessoas com tumor de testículos estão mais propensas a apresentar algum transtorno psiquiátrico, podendo culminar até em suicídio.

Neste mês, ocorre o Abril Lilás, campanha de sensibilização e combate à doença. “Ainda a muito preconceito em torno do câncer de testículo, o que faz com que os pacientes tenham medo de buscar ajuda médica”, finaliza o médico.

Da redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.