quarta-feira, julho 17, 2024

Fisioterapia no Centro Obstétrico do HRSM completa dois anos


A hora do parto é um momento repleto de emoções, um misto de sentimentos diversos, aliado ao medo e à ansiedade de trazer ao mundo uma nova vida. E para tornar esse momento ainda mais humanizado, o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) é o único de toda a rede pública de saúde que possui o serviço de fisioterapia 24h dentro do Centro Obstétrico (CO).

“Desde que a fisioterapia começou a atuar dentro do CO, o número de partos normais aumentou. O parto se tornou mais humanizado, pois a gestante escolhe a posição mais confortável para ter o seu bebê, e aplicamos técnicas não farmacológicas para amenizar a dor, como massagem. Este é o único hospital público do DF que tem fisioterapeuta 24h no Centro Obstétrico”

Danielle Fontenele, chefe do Serviço de Saúde Funcional

Nesta terça-feira (30), a equipe do CO do HRSM se reuniu para um café da manhã especial em comemoração aos dois anos de implantação de fisioterapia dentro do setor. Desde o dia 1º de maio de 2022, o Centro Obstétrico oferta o serviço de maneira ininterrupta, todos os dias da semana, em todos os plantões. Hoje, o centro conta com oito fisioterapeutas na equipe.

Desde que a fisioterapia começou a atuar dentro do CO, o número de episiotomias teve uma redução. O parto se tornou mais humanizado, pois a gestante escolhe a posição mais confortável para ter o seu bebê, e aplicamos técnicas não farmacológicas para amenizar a dor, como massagem. Este é o único hospital público do DF que tem fisioterapeuta 24h no Centro Obstétrico”, explica a chefe do Serviço de Saúde Funcional do HRSM, Danielle Fontenele.

Desde o dia 1º de maio de 2022, o Centro Obstétrico oferta o serviço de maneira ininterrupta, todos os dias da semana, em todos os plantões. Hoje, o CO conta com oito fisioterapeutas na equipe | Foto: Divulgação/IgesDF

Segundo ela, graças ao serviço de fisioterapia dentro do Centro Obstétrico houve redução no número de episiotomias realizadas. Além disso, há um grande índice de mulheres que continuam com seu períneo íntegro após o parto.

Em 2021, antes da implantação do serviço, foram registrados 2.064 partos normais e 81 episiotomias. Já em 2022, primeiro ano da fisioterapia atuando no CO, de 1.999 partos vaginais, foram 41 episiotomias e, em 2023, de 1.456 partos normais, apenas 17.

“A paciente é assistida pela equipe de fisioterapia desde o momento do intraparto, o parto e pós-parto, quando vai para a maternidade pela equipe de saúde da mulher que tem no hospital”, informa Danielle.

A fisioterapeuta Giovanna Cassaro atua no Centro Obstétrico do HRSM e conta que se sente feliz em participar de um momento tão único como o parto e privilegiada por fazer parte da equipe do CO.

“Aqui, trazemos a mulher para ser a protagonista de seu parto. Fazemos com que este momento seja o mais humanizado possível, respeitamos a vontade da gestante e ajudamos a reduzir a dor”, relata.

*Com informações do IgesDF



Source link