segunda-feira, maio 27, 2024

Paris se prepara para ameaça sem precedentes à segurança cibernética


Paris 2024 está se preparando para enfrentar um desafio sem precedentes em termos de segurança cibernética, com os organizadores esperando uma enorme pressão sobre os Jogos Olímpicos.

Crime organizado, ativistas e Estados serão as principais ameaças durante as Olimpíadas, de 26 de julho a 11 de agosto, e as Paraolimpíadas, de 28 de agosto a 8 de setembro.

Paris 2024, que tem trabalhado em conjunto com a agência nacional francesa de segurança da informação (Anssi) e as empresas de segurança cibernética Cisco e Eviden, está procurando limitar o impacto dos ataques cibernéticos.

“Não podemos evitar todos os ataques, não haverá Jogos sem ataques, mas temos que limitar seus impactos sobre os Jogos Olímpicos”, disse Vincent Strubel, diretor geral da ANSSI, aos repórteres. “Há 500 locais, instalações de competição e coletivos locais, e nós testamos todos eles.”

Teste cibernético antes dos Jogos de Paris
 3/5/2024   REUTERS/Stephanie Lecocq
Teste cibernético antes dos Jogos de Paris
 3/5/2024   REUTERS/Stephanie Lecocq

“Não podemos evitar todos os ataques, não haverá Jogos sem ataques, mas temos que limitar seus impactos sobre os Jogos Olímpicos”, disse Vincent Strubel, diretor geral da Anssi- REUTERS/Stephanie Lecocq/Direitos reservados

Strubel está confiante de que Paris 2024, que operará a partir de um centro de operações de segurança cibernética em um local que está sendo mantido em segredo, estará pronta.

“Os Jogos estão enfrentando um nível de ameaça sem precedentes, mas também fizemos uma quantidade de trabalho de preparação sem precedentes, então acho que estamos um passo à frente dos agressores”, disse ele.

Para garantir que estão no jogo, Paris 2024 tem pago “hackers éticos” para testar seus sistemas e usado inteligência artificial para ajudá-los a fazer uma triagem das ameaças.

“A IA nos ajuda a fazer a diferença entre um incômodo e uma catástrofe”, disse Franz Regul, diretor administrativo de TI da Paris 2024. “Esperamos que o número de eventos de segurança cibernética seja multiplicado por 10 em comparação com Tóquio [em 2021]. “Em termos de segurança cibernética, quatro anos é o equivalente a um século”, explicou Eric Greffier, diretor de parcerias da Cisco.

Em 2018, um vírus de computador apelidado de “Olympic Destroyer” foi usado em um ataque à cerimônia de abertura dos Jogos de Inverno de Pyeongchang.

Embora Moscou tenha negado qualquer envolvimento, o Departamento de Justiça dos EUA disse em 2020 que indiciou seis hackers da agência de inteligência russa por uma onda de ataques cibernéticos que durou quatro anos e incluiu ataques contra os Jogos de Pyeongchang.

“Gostaríamos de ter um oponente, mas estamos investigando tudo e todos. Nomear os possíveis agressores não é nosso papel, é o papel do Estado”, disse Strubel.

No mês passado, o presidente da França, Emmanuel Macron, disse não ter dúvidas de que a Rússia alvejaria de forma malévola os Jogos Olímpicos de Paris.

Os Jogos serão realizados em meio a um cenário global complexo, incluindo a guerra da Rússia na Ucrânia e o conflito de Israel com o Hamas, que foi designado como organização terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

* É proibida a reprodução deste conteúdo.



Source link